História do computador e da Internet: 1960-1969

Para visualizar corretamente configurar a tela para 1024 x 768 pixels

Computador e Internet: 1960-1969


| 1960 | 1961 | 1962 | 1963 | 1964 | 1965 | 1966 | 1967 | 1968 | 1969 |

| ARPANET | Baer, R. | Baran, P. | Bemer, R. W. | Cerf, V. G. | disquete | E-mail | Engelbart, D. | fita K7 |

| IBM 360Licklider, J. C. R. | Kleinrock, L. | modem | Moore, G. E. | mouseNelson, T. H. |

  | Perotto, P. G. | Ritchie, D. | Roberts L. G. | Russell, James T. | Space War | Thompson, K. | UNIX |

| Brasil: 1960 a 1969 |


1960
- Em Nova York a "IBM" desenvolveu o primeiro aparelho automático de produção em massa de transistores.

Também em 1960, foi desenvolvido o Dataphone, o primeiro aparelho comercial, que objetivava a transmissão de dados por meio de redes de longa distância. Destinavam-se aos mainframes, os antigos e grandes computadores corporativos.

O equipamento foi chamado de modem (palavra condensada a partir de modulador e demodulador), pois convertia os dados digitais - as informações binárias, os zeros e uns - em frequências audíveis (tons). Ou seja, convertia sinais digitais em analógicos, 

Então, os dados podiam ser transmitidos por linhas telefônicas para outro computador, em que são reconvertidos para o formato digital original.

Era da “AT&T" (AmericanTelephone and Telegraph Company), uma empresa fundada pelo inventor do telefone , Alexander Graham Bell

Um filósofo e professor da Universidade de Oxford, Theodor Holm Nelson, deu início ao Projeto Xanadu, que deveria ser um ambiente literário de escala global, por meio de uma rede de computadores, com interface de usuário simples e que refletisse a maneira não-sequencial que o pensamento humano funciona.

Ou seja, Nelson propôs que a leitura deveria ser uma experiência não-linear, na qual novos conceitos e definições seriam disponibilizados ao leitor à medida que os necessitasse.

O projeto falhou, mas foi um dos percursores da WWW, que só seria criada por Timothy Bernes-Lee, décadas depois.

Aparentemente, a atual WWW funciona como uma simplificação do Xanadu, pois os links têm mão-única (ou seja, só o autor pode inserir os links, e os mesmos tem apenas uma direção: um arquivo apontando outro). Para Nelson, uma das propriedades principais do hipertexto seria permitir que se decidisse aonde colocar os links e, assim, as associações seriam realizadas pelo interator, não apenas pelo autor do texto).

Em 12 de agosto de 1960, os EUA colocaram em órbita o satélite Echo 1, após um fracasso em 13 de maio do mesmo ano. Era o primeiro satélite de comunicações passivas, funcionando como um refletor, e não um transmissor.

Tratava-se de um grande balão, com 2 metros e meio que, ao ser posicionado em uma baixa órbita terrestre, refletia sinais transmitidos a ele de volta para a Terra.

Auxiliou nas comunicações por telefone transcontinentais e intercontinentais, e redirecionava sinais de rádio e de televisão, além de ajudar no cálculo da densidade da atmosfera e da pressão solar, devido à sua relação de grande área para a massa. Echo 1A reentrou na atmosfera terrestre e queimou-se em 24 de maio de 1968.



Vídeo: Echo 1 Launched Communications Revolution
http://www.youtube.com/watch?gl=BR&v=s8QC5sbKnF0 (acessado novamente em 15/08/2010)
(50 years ago, NASA launched its first communications satellite, Echo 1. Made from mylar polyester film and measuring about 100 feet across, the balloon-shaped spacecraft was designed as a passive communications reflector for transcontinental and intercontinental telephone, radio, and television signals. During orbit, a special recorded message from President Dwight Eisenhower was bounced off Echo 1 and picked up by radio operators across the natio ).


Ainda em 1960, começou a ser estabelecido por Robert William Bemer o "American Standard Code for Information Interchange" (Código Padrão Norte-americano para Intercâmbio de Informações), hoje conhecido como código ASCII.
( A primeira edição foi publicada em 1963, tendo havido uma revisão em 1967 e uma atualização em 1986. )

O obejetivo era determinar como letras maiúsculas e minúsculas (a-z e A-Z), números (0 a 9), o espaço em branco, sinais de pontuação, alguns símbolos e caracteres de controle são representados no computador. em 7 dígitos binários, sendo que o oitavo é usado como verificador de erro.

O uso do código ASCII possibilitou que computadores de diferentes fabricantes trocassem dados entre si. Ou seja, que os arquivos criados em um computador de um certo modelo e marca pudesses ser abertos em outro computador de outro fabricante, qualquer que fosse sua marca ou modelo.

Bemer também foi o primeiro a alertar o mundo sobre o "problema do ano 2000", o Bug do Milênio


1961 - O engenheiro norte-americano Leonard Kleinrock, um aluno de doutorado do ("Instituto de Tecnologia de Massachusetts") (MIT - "Massachusets Institute of Technology"), publicou um artigo inovador em que propunha redes de pacotes comutados. Nessas redes, as mensagens enviadas não utilizariam circuitos, mas seriam divididas em partes, os pacotes, que seguiriam caminhos com rotas decididas ao longo do próprio percurso por computadores dedicados, os roteadores. A mensagem original só seria reconstruída ao chegar ao destino. Leonard Kleinrock, também publicou o primeiro livro sobre esse assunto em 1964.

Também no MIT, em 1961, o sistema "Compatible Time-Sharing System (CTSS)", consistia em um computador que era acessado por múltiplos usuários por meio de vários terminais, no qual Tom Van Vleck e Noel Morris implementaram o programa CTSS MAIL que já permitia que usuários se comunicassem por meio de mensagens eletrônicas, de um modo bem diferente do atual.

Dois infográficos, em inglês, sobre a história do correio eletrônico podem ser vistos em

Imagem: História do Email - 2 
http://faconti.tumblr.com/post/23596747015 

Imagem: História do Email
http://faconti.tumblr.com/post/15179744729 


Em 12 de abril de 1961, como parte da disputa tecnológica da Guerra Fria, a não mais existente União das Repúblicas Socialista Soviéticas - URSS - lançou o primeiro homem ao espaço, o russo Yuri Alexseyevich Gagarin na nave Vostok 1.




Imagem: Yuri Gagarin
http://pt.wikipedia.org/wiki/Iuri_Gagarin  (acessado novamente em 08/10/2014)



Vídeo: Gagarin's Flight
http://www.youtube.com/watch?v=pQ17K77U77Y (acessado novamente em 11/03/2011)
(Yuri Gagarin's single orbit around Earth, on April 12, 1961, demonstrated that the Soviets were ahead in the space race with the U.S.)


Calculadoras estavam sendo construídas por diversas empresas e não apenas nos Estados Unidos.


Vídeo: Interesting Mechanical Calculator Antique Japanese P-1 Pilot
http://www.youtube.com/watch?v=dH9mfcyn974 (acessado novamente em 02/09/2009)
(See how these old hand-cranked calculators worked! Demonstration of Pilot P-1 antique mechanical calculator circa 1961. Visit RetroCalculators.com )


Em 30 de julho, os estudantes do MIT, Stephen Russell, Peter Samson, Dan Edwards, Martin Graetz, Alan Kotok, Steve Piner e Robert A. Saunders, desenvolveram o "SpaceWar!", na linguagem Assembly, inspirados nos livros de ficção científica de E. E. "Doc" Smith. No jogo, 2 jogadores deveriam controlar suas naves em um ambiente escuro, e tentar abater o adversário.

Diferentemente do "Tennis for Two", inventado em 1958, o SpaceWar! foi realmente inventado para ser jogado. Assim, é considerado o primeiro jogo interativo de computador, tendo inspirado os futuros vídeogames.

Novamente, o objetivo dos programadores, tinha sido chamar a atenção do público, que visitava as instalações do MIT só para ver a maravilha tecnológica. Mas, como o computador DEC PDP-1 era uma peça sem maiores atrativos para o público leigo, resolveram criar o joguinho, utilizando conceitos de física real, como aceleração e gravidade, tentando estimular os visitantes a ingressar no mundo da informática.

Assim, o DEC PDP-1, construído por Kenneth Olsen, e utilizado até então para executar cálculos em geral, tornou-se também uma máquina capaz de entreter as pessoas, e atraiu mais visitantes para conhecer o instituto. Os alunos jogavam Spacewar! e Rato-no-labirinto, usando um joystick e uma caneta ótica.



Vídeo: Spacewar! (MIT 1962)
http://www.youtube.com/watch?v=Rmvb4Hktv7U (acessado novamente em 02/09/2009)
(Designed on a PDP-1 at MIT by Steve Russell, this is the first fully interactive video game.) - acessado em 22/06/2008



Vídeo: 1963 DEC - PDP 1 computer, enabling computer games
http://br.youtube.com/watch?v=tyDZjEcCgaI (acessado novamente em 02/09/2009)

(1963 DEC - PDP 1 computer. DEC - Digital Equipment Corporation. PDP - Programmable Data Processor (marketing name avoiding the word computer to get government purchase approval.)

Ainda em 1961 foi criado o Unimate, o primeiro robot industrial, que entrou em operação na "GM". Sua função era empilhar pedaços de metais quentes.

Nesse mesmo ano, a "Fairchild Corporation" começou a fabricar o IC, o primeiro circuito integrado disponível comercialmente. 


1962 - O governo dos E.U.A. iniciou o desenvolvimento de uma rede de comunicação para fins militares. O Pentágono procurava instalar um sistema de comunicação indestrutível, que pudesse resistir a um ataque atômico, e que permitisse aos responsáveis políticos e militares sobreviventes retomar o contato entre eles, para lançar o contra-ataque. 

Ainda em 1961 Paul Baran, em um estudo extenso para a Força Aérea dos EUA recomendou a comutação de pacotes ao invés da comutação de circuitos para tornar as redes mais robustas e estáveis, em uma série de estudos feitos na “RAND Corporation”. Estes estudos sigilosos objetivavam estabelecer um grande sistema de comunicações que não pudesse ser interrompido por avarias em algum de seus pontos.

Baran também sugeriu que as redes de pacotes comutados deveriam ser redes distribuídas, ao invés de centralizadas. Este desenho introduzia um alto nível de redundância na topologia de rede, ou seja, os pacotes de dados poderiam seguir por vários caminhos diferentes, mas a rede ficaria mais robusta no caso de ataque nuclear, pois a informação poderia seguir por outros caminhos se um deles fosse destruído.

Conforme sua topologia as redes podem se organizar segundo três modos diferentes,


centralizadas: toda a informação passa por um dos nós rede, o seu centro. Depois é espalhava para os demais nós. Um exemplo é a Televisão, no qual o poder de controle e distribuição da informação é concentrado na fonte emissora. 

descentralizadas: tem vários centros, com várias redes centralizadas conectadas entre si, na qual vários nós centralizam e distribuem a informação. Muitas organizações hierárquicas funcionam sob esse modelo (igreja, governo, empresas…).
No caso da Igreja Católica, existe um centro maior, (Vaticano), que emite e recebe informação das paróquías que reemitem a informação para os receptores finais, as pessoas daquela fé.

distribuídas: Não existe centro. Qualquer receptor final pode ser, também, um emissor e disseminar a informação para qualquer outro nó. 
Rede centralizada (e), descentralizada, (c) e distribuída
          (d)

(Repare que os nós estão nos mesmos pontos, qualquer que seja a rede).

Imagem: Arquiteturas de redes
http://www.flickr.com/photos/heliopaz/2007012694/  (acessado novamente em 05/10/2014)


Assim, em uma rede distribuída é importante observar que o  poder e o controle são distribuídos pelos nós e a principal característica é que ninguém é dono da rede. Não segue nenhuma das estruturas hirárquicas criadas pelo homem até agora. 


É importante lembrar que Paul Baran trabalhou na época da “guerra fria" entre os países do Ocidente, com destaque para os EUA, e os da "Cortina de Ferro" (a antiga URSS - União das Repúblicas Socialistas Soviéticas). O perigo de uma grande guerra era algo presente e era óbvio que manter o domínio de informações seria vital. Se uma bomba atingisse o computador central, todo o sistema de informações de defesa do país ficaria inoperante imediatamente.

Baran explicitou suas ideias em uma série de relatórios “On Distributed Communications”. Aplicando-se suas recomendações obtinha-se uma rede muito mais estável e a um custo reduzido, em relação ao sistema de telefonia da época, 

Na ARPA já existia o pensamento de Joseph Carl Robnett Licklider, um físico, matemático e psicólogo norte-americano que pensava em  construir uma rede de computadores que permitisse


o compartilhamento de equipamentos e
o trabalho cooperativo dos pesquisadores em conjunto 

Evidentemente, a distância geográfica e os sistemas operacionais incompatíveis quase impossibilitavam isso. 

Licklider propôs o conceito de rede ao tentar conectar os vários computadores para que os pesquisadores pudessem trocar dados e que  permitisse o compartilhamento de recursos dos equipamentos. após a saída de Licklider da ARPA essa ideia continuou sendo cultivada por seus sucessores, Ivan Sutherland, Robert Taylor e Lawrence G. Roberts, sobre isso.
Em 1964 foi escolhido o modelo de re distribuída proposto por Paul Baran.

O primeiro disco rígido removível foi lançado pela IBM. Era o "IBM 1311 Disk Storage Drive". O disco conseguia armazenar 2 milhões de caracteres.

No Atlas, um computador inglês, apareceu a primeira memória virtual, tecnologia usada até hoje e que permite trabalhar ao mesmo tempo com diferentes programas.

Também em 1962 Philippe Dreyfus criou a palavra "informatique", a partir do radical do verbo francês "informer", por analogia com mathématique, électronique etc.

Foi lançado o satélite retransmissor Telstar, que se tornou o primeiro satélite a transmitir imagens ao vivo. Em 1964 transmitiu imagens de TV da cerimônia do revezamento da tocha nos Jogos Olímpicos de Tóquio.


1963 - Douglas Engelbart, um técnico de radares, produziu, em 1960, um sistema chamado NLS (oNLine System) nos laboratórios da "Xerox Corporation". 

Querendo tornar o sistema mais prático, Engelbart inventou um equipamento de indicação para computadores, o mouse, para tentar melhorar a interação usuário - computador, de modo que  fosse possível clicar em qualquer ponto na tela.

O nome "mouse" ( = rato, em inglês) foi adotado pela equipe de Engelbart, embora não se saiba exatamente por quem.



Vídeo: the first mouse
http://www.youtube.com/watch?v=1MPJZ6M52dI (acessado novamente em 02/09/2009)
On December 9, 1968 in San Francisco, Douglas Engelbart presents for the first time the computer mouse.


Engelbart só registrou a patente em 17 de novembro de 1970. O equipamento foi chamado de indicador de posição X-Y, "X-Y Position Indicator For A Display System", e recebeu a patente número 3.541.541. No início, era uma caixinha de madeira que tinha apenas um botão. Na época Engelbart vendeu a patente do mouse por 10.000 dólares.

Entretanto, como a maioria dos monitores só apresentavam tela preta, e o sistema não utilizava interface gráfica, ou seja, não havia telas com ícones e os computadores ainda eram incapazes de processar recursos gráficos avançados, e lidavam apenas com textos, o invento de Engelbart se mostrou pouco prático e ficou praticamente sem uso por vários anos.

Um dos primeiros computadores a usar o mouse de maneira expressiva foi o Xerox Star 8010, em 1981, mas ainda era um produto de pesquisa, sem comercialização. 

Só em 1983 a "Apple" lançou o Lisa, o primeiro computador pessoal com mouse. Era também o primeiro com interface gráfica, ou seja, que usava ícones na tela. Entretanto, o seu alto preço, quase US$ 10.000,00, era impeditivo para o grande público. Logo após,  a "Microsoft" lançou o mouse para pcs, de preço muito menor.

Mas o mouse só se popularizou realmente em 1984, quando a Apple lançou o computador Macintosh, que tinha sistema operacional orientado à objetos, ou seja, era baseado em ícones, as figuras que  acionavam comandos, o que facilita o diálogo com o usuário.

Assim, o uso do mouse só se revelou fundamental com a criação das interfaces gráficas.

É importante ressaltar que, em seu princípio básico, o mouse não evoluiu muito, tendo sofrido apenas alguns aperfeiçoamentos, ficando mais ergonômico e preciso.

Apesar de ser provavelmente a peça de hardware do pc que é mais utilizada, apenas em 9 de abril de 1997, Engelbart recebeu o prêmio Lemelson-MIT, em Washington, de 500 mil dólares, um dos principais prêmios do mundo para inventores. 


Ainda em 1963, foi estabelecido por Robert William Bemer o "American Standard Code for Information Interchange" (Código Padrão Norte-americano para Intercâmbio de Informações), hoje conhecido como código ASCII.

O objetivo era determinar como letras maiúsculas e minúsculas, números, sinais de pontuação, alguns símbolos e outros caracteres são representados no computador.

O uso do código ASCII possibilitou que computadores de diferentes fabricantes trocassem dados entre si. Ou seja, que os arquivos criados em um computador de um certo modelo e marca pudesses ser abertos em outro computador de outro fabricante, qualquer que fosse sua marca ou modelo.

Bemer também foi o primeiro a alertar o mundo sobre o "problema do ano 2000", o Bug do Milênio.


Também em 1963 a "Digital Equipament Corporation" - DEC construiu o primeiro computador eletrônico e digital que só ocupava o espaço em cima de uma mesa comum e tinha uso amplo, isto é, com programa de instrução que podia alterar o tipo de cálculo a ser realizado com dados, Era o PDP-5, um minicomputador comercial,  ou seja, uma máquina relativamente pequena que podia ser utilizada em muitas áreas de conhecimento.

Apenas a idéia de que um computador seria pequeno o suficiente para poder ficar em uma casa não era muito significativa. No vídeo a seguir, de 1974, o escritor de ficção científica Arthur C. Clarke previu que como poderíamos trabalhar em casa com computadores e acessar nossos registros bancários:



Vídeo: One day, a computer will fit on a desk (1974)
https://www.youtube.com/watch?v=sTdWQAKzESA (acessado em 15/09/2014)


Um grupo de Cambridge desenvolveu a CPL (Combined Programming Language).


A empresa holandesa Philips lançou a fita cassete ou compact cassette, ou K7. É um padrão de fita magnética para gravação de áudio.

Era constituída por uma pequena caixa plástica, de 10 x 7 cm, o que significava uma grande economia de espaço em contraste com as fitas tradicionais, então disponíveis.


cassete TDK

Imagem: Fita cassete do tipo "Dinâmica", produzida pela TDK entre 1970 e 1980.
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/f1/Tdkc60cassette.jpg (acessado em 02/09/2013)


A caixa continha 2 carretéis, uma fita magnética e o mecanismo de movimento da fita. A fita podia ser colocada ou retirada em qualquer ponto da reprodução ou gravação sem a necessidade de ser rebobinada como as fitas de rolo.

Inicialmente a expectativa era de colocar dados neste suporte, mas dispostibos mais baratos, os disquetes, acabaram por os receber.


A partir desse ano, os computadores PDP, da "Digital Equipament Corporation" - DEC, construídos com transistores e núcleos magnéticos, foram bastante comercializados. Foram vendidas 300 mil unidades do PDP-5.


Vídeo: PDP8
http://br.youtube.com/watch?v=iKMW3RyQbyc (acessado novamente em 02/09/2009)
(DEC PDP8 Computer running a simple program)



Vídeo: PDP-8 @Computer History Museum
http://br.youtube.com/watch?v=8p2vDJWSRQw (acessado novamente em 02/09/2009)


Vídeo: PDP-10 @Computer History Museum
http://br.youtube.com/watch?v=SmgO7MfBafY (acessado novamente em 02/09/2009)
(PDP-10 (DECsystem-10) at Computer History Museum) 



Nesse ano iniciou-se a terceira geração na história dos computadores.
Para melhor entender esse período foram estabelecidas gerações na história do computador.
As características principais de cada fase encontram-se aqui. 



1964J. C. R. Licklider saiu da ARPA e assumiu a direção do Projeto MAC no MIT. Entretanto, o seu  projeto foi amadurecendo e continuou quando a ARPA contratou Lawrence G. Roberts, do "Lincoln Lab " do MIT, em 1967, para tornar a idéia uma realidade. 

Foi escolhido para a rede um modelo proposto por Paul Baran. E, após algum tempo havia cerca de doze universidades e companhias trabalhando com a ARPA, incluindo Stanford, UCLA e Berkeley. Como piada, Licklider, chamou o seu grupo de "Intergalactic Computer Network". Este grupo seria o núcleo da ARPAnet mais tarde.


Também em 1964 

A "IBM", sob a influência do programa espacial americano, lançou, em 7 de abril de 1964, a primeira máquina da família criada por Gene Amdahl, chamada IBM System 360. Esses computadores foram projetados para finalidades comerciais e marcaram a tendência de usar circuitos integrados (CI) ou pastilhas, que ficaram conhecidas com chips.

O 360 incluía um processador central e muitos periféricos, determinando várias opções de expansão. Ou seja, o 360 foi o primeiro a apresentar o conceito de modularidade: o comprador poderia adquirir diferentes módulos, conforme suas necessidades. Essa flexibilidade permitiu que várias empresas comprassem seu primeiro computador.

O modelo mais barato do 360 possuía 8 bits e um endereçamento de memória baseado em bytes. Seu processamento era feito por um conjunto de transistores, que já caminhava para um chip. Realizava mais de 2 milhões de operações por segundo e cerca de 500 mil multiplicações. Esse fato tornou seus antecessores obsoletos.

O 360 consolidou definitivamente a liderança da "IBM", a "Big Blue", no mercado de mainframes. Outras empresas como a "RCA" e a"General Electric" anunciaram seus modelos, mas não conseguiram competir com a IBM. Em 1971 a IBM lançou a família 370, que tinha retro-compatibilidade com os 360, e que prolongou a supremacia da IBM por mais quase 20 anos. Os 360 foram vendidos até 1977.



Vídeo: IBM 360 mainframe
http://www.youtube.com/watch?v=ZGRCn0vwK3c (acessado novamente em 02/09/2009)


Ainda em 1964, o computador DCC 6600 da "Control Data", projetado por Seymour Roger Cray, executava até 3 milhões de operações por segundo e tinha velocidade de processamento três vezes maior que a do seu concorrente.

Thomas Kurtz e John Kemeny, professores do DartMouth College, criaram uma linguagem de programação de fácil aprendizagem, o BASIC, "Beginners All-purpose Symbolic Instruction Language" ("Código de Instruções Simbólicas para todos os Propósitos dos Principiantes").

O Basic logo se popularizou pois tem uma sintaxe simples se comparado com o C ou Assembly, já que usa comandos derivados de palavras do idioma inglês.

Por essa época a "Burroughs" lançou o B5000 que objetivava rodar programas em ALGOL 60. O projeto desse pc incorporava várias características ao hardware tentando facilitar a tarefa de compilar programas. Fortificou-se a ideia de que o software é uma peça importante do projeto de uma máquina.

Foi lançada a televisão colorida da "Philips", com um visual mais moderno, e com caixa de som na parte inferior, servindo de apoio para a tela de 17 polegadas.



1965 - A "Arpanet" patrocinou um estudo intitulado "A Competitive Network of Time Sharing Computers" (Rede competitiva com computadores interligados simultaneamente).


Lawrence G. Roberts e Thomas Merrill, no "MIT Lincoln Lab" ligaram um computador TX-2 em Massachussets com outro computador, que estava na Califórnia, um AN/FSQ-32 na "System Development Corporation", usando uma linha telefônica de baixa velocidade.

Eles criaram, assim, a primeira rede WAN de computadores ("Wide Area Network"). Ficou claro,  nesse momento, que computadores poderiam trabalhar bem juntos, rodando programas e recuperando dados em máquinas remotas, com tempo compartilhado.

Mas também ficou evidente que o circuito comutado do sistema telefônico era inadequado. Foi confirmada, ainda, a convicção de Kleinrock sobre a necessidade de trocas de pacotes.

Theodor Holm Nelson (Ted Nelson) utilizou, pela primeira vez, os termos hipertexto e hipermídia.

Pier Giorgio Perotto, que trabalhou para a "Olivetti", inventou o cartão magnético, que precedeu o disquete e a "Olivetti Programma 101", uma máquina que usava transistores, e tinha memória RAM de 100 bytes, usando uma linguagem própria, com 16 instruções, que já conseguia efetuar o cáculo de raiz quadrada.

A máquina era programável, tinha teclado e impressora semelhantes às calculadoras de mesa e o cartão magnético servia como meio de armazenagem de dados, pois dispunha de uma unidade que permitia ler e gravar essa mídia, com cada cartão podendo armazenar 480 caracteres.

Perotto queria construir uma máquina que pudesse se encarregar de tarefas que geram fadiga mental e erros. E pretendia que a máquina pudesse ser utilizada de forma intuitiva, sem que seus usuários tivessem que passar por programas de treinamento, e que tivesse preço baixo. Em 1964 Perotto a terminou, mas a Olivetti Programma 101 só foi apresentada ao mercado em outubro de 1965 nos E.U.A., no "Bema Show" de Nova York, mas não foi um sucesso comercial e não se firmou como um padrão de computação.

Para muitos a "Olivetti Programma 101" foi apenas uma máquina de calcular, entretanto, os jornais New York Times, Wall Street Journal, Business Week e outros, a reconheceram como o primeiro computador de mesa do mundo.

Gordon Earl Moore, da Intel, comentou na revista "Electronics Magazine", em um artigo de 19 de abril de 1965, que a capacidade dos microchips dobraria em média a cada 18 a 24 meses, mantendo o preço inalterado. Essa profecia vem se mantendo e ficou famosa como "Lei de Moore". 

Ainda em 1965, James T. Russell inventou o conceito geral de gravação e reprodução digital óptica, e inventou o primeiro sistema de gravar e tocar (digital-para-ótico), que foi patenteado em 1970, tendo construído um protótipo operacional em 1973.

Ele conseguiu gravar em uma placa de plástico sensível a luz que eram sensíveis a pequenos “bits” de claridade e escuridão, cada um com um micro diâmetro, um laser lia os dados binários, e o computador converteu em dados.

Entretanto, as primeiras tecnologias de gravação óptica, que formam a base dos videodiscos, dos CDs e dos DVDs foram publicadas primeiro por Gregg em 1958, e, depois, por Kramer e Compaan, pesquisadores da Philips, só em 1969.

Nos anos 70, Russel continuou a refinar o CD-ROM, adaptando para todo tipo de dados.


1966 - A "Hewlett-Packard" (HP) começou a produzir computadores para uso geral, pois o HP-2115 oferecia um alto poder de processamento. Ele suportava uma grande variedade de linguagens, entre elas Basic, Algol e FORTRAN.

Robert Taylor assumiu a direção do "Information Processing Techniques Office" (IPTO) da ARPA, o antigo cargo de J. C. R. Licklider. Obteve US$ 1 milhão para iniciar um projeto de interligação dos laboratórios universitários que colaboravam com a agência. O objetivo era economizar dinheiro ao compartilhar os recursos de computação espalhados pelo país, já que era desejo de muitos pesquisadores possuir um computador,ainda muito caros na época.

Lawrence G. Roberts, que trabalhava no MIT, foi trabalhar no DARPA, e desenvolveu o conceito de redes computadorizadas. Em 1967 publicou o seu plano para a ARPANET. Rapidamente criou uma rede. Assim, com berço no Pentágono, foi estabelecida a ARPAnet.


1967 - Os primeiros planos de redes informáticas (packet-switching) sobre os princípios de operatividade foram apresentados em um simpósio da ACM ("Association for Computing Machinery"), uma organização científica e educacional dedicada a pesquisas na área de tecnologia da informação.

Lawrence G. Roberts levantou a ideia de se usar equipamentos dedicados para executar funções de rede, chamando-os de "Interface Message Processors" (IMPs).

Na mesma conferência, outro artigo, dos ingleses Donald Davies e Roger Scantlebury do "Nuclear Physics Laboratory" (NPL) em Middlesex, Reino Unido, esclarecia o conceito de redes por pacotes.

Então, se percebeu que havia trabalhos sendo desenvolvidos em paralelo no MIT (1961-67), na RAND (1962-65) e no NPL (1964-67), sem que houvesse contato entre os pesquisadores. A palavra "pacote" do trabalho desenvolvido no NPL foi adotada por todos e a velocidade de linha proposta para ser usada no projeto da ARPANET aumentou de 2,4 para 50 KBs.

Assim, foi desenvolvido o conceito da ARPAnet Packet Switch e a ARPA passou a discutir um protocolo para a troca de mensagens entre computadores.


Ainda em 1967 a IBM lançou o primeiro disquete e o seu drive, inventado por Alan Shugart.

Como a poeira estragava o disquete, foi criada uma capa plástica flexível para contê-lo e que acabou por lhe dar o nome, "disco flexível" (floppy disk).

Esss capa continha um disco para armazenamento de arquivos, com 8 polegadas e 80 KBs, somente para leitura. Era barato, custando menos de 5 dólares, pois a empresa precisava enviar atualizações de seus programas, com bastante frequência, para clientes.

Logo o disquete foi melhorado e foi desenvolvido outro, que podia gravar dados além de lê-los. Entretanto, poucas pessoas utilizavam essa mídia devido ao alto custo dos drives (que frequentemente eram mais caros que o próprio computador).

A maioria dos computadores da época utilizava fitas cassetes como meio de armazenamento. Entretanto, a capacidade e a durabilidade do disquete foram sendo aprimoradas e em 1975, foi criado o disco de 5 e 1/4 polegadas, mas, inicialmente, não foi tido como um objeto passível de grandes vendas e o projeto foi arquivado. Algum tempo depois, em 1978, os disquetes começaram a ser distribuídos, tornando-se populares. 

Esse disquete, com capacidade para armazenar 360 KBs, foi usado no computador pessoal IBM, em 1981.

Em 1982, a Sony criou o disquete de 3 e 1/2 polegadas, que inicialmente funcionava somente em seus próprios computadores. Logo, outros fabricantes começaram a usar o formato, que acabou por dominar a indústria e podia conter 1,44 MBs.




Imagem: Disquetes 
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/a/aa/Floppy_disk_2009_G1.jpg/800px-Floppy_disk_2009_G1.jpg 
(acessado novamente em 02/09/2013)
Imagem: Drives de disquetes 
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/b/b3/Floppy_Disk_Drives_8_5_3.jpg/800px-Floppy_Disk_Drives_8_5_3.jpg 
(acessado novamente em 02/09/2013)


O disquete foi o primeiro dispositivo de armazenamento de dados vendido em massa, e ficou extremamente popular. Entretanto, na década de 90 foi ficando obsoleto, pois meios digitais mais confiáveis, mais rápidos e com maior capacidade de armazenar, como o disquete de Zip Drive, o CD, o DVD e o Pen Drive o  substituíram.


O desenvolvimento dos sistemas de uso compartilhado de recursos salientou a necessidade de se criar uma interface melhor que o teletipo, utilizado até então. Assim, no final dos anos 60, houve grande desenvolvimento de vídeo terminais ( VDT, vídeo display terminals). Em 1967 a Control Data e Sanders já estava produzindo VDT’s. Harris os estava vendendo em 1969 e a "Hewlett Packard" em 1972. Paralelamente, houve também uma grande mudança para a utilização do teclado como um dispositivo de entrada de dados e comandos.

Jack St. Clair Kilby que, cerca de 10 anos antes, tinha desenvolvido um dos primeiros circuitos integrados, patenteou a primeira calculadora eletrônica portátil para demonstrar o potencial de miniaturização dos eletrônicos com esses circuitos. A calculadora efetuava as 4 operações (somar, subtrair, multiplicar e dividir), trabalhava com algumas casas decimais e admitia números com até 12 algarismos. Utilizava uma bateria de prata-zinco e imprimia o resultado em um pequeno rolo de papel. O modelo só entrou em produção em abril de 1970, quando a "Texas Instruments" lançou o produto no Japão, em associação com a "Canon". A calculadora foi denominada "Pocketronic" e custava US$ 400.


1968 - Ralph Baer, nascido na Alemanha Oriental e radicado nos EUA, após fugir da Alemanha nazista, criou uma máquina que rodava jogos eletrônicos, utilizando uma TV. Custava pouco e podia ser usada por qualquer pessoa que quisesse se divertir. Na "Sanders Associates" surgiu, em 1967, o primeiro esboço de sua ideia, o "chasing game", um rudimentar jogo de "Ping Pong". Baer patenteou e apresentou em 1968 o protótipo do videogame, chamado de "Brown Box", que rodava jogos de futebol, voleibol e de tiro.



Vídeo: Ralph Baer and Bill Harrison Play Ping-Pong Video Game, 1969
http://www.youtube.com/watch?v=1LsRGUODHlQ (acessado novamente em 24/01/2011)
(Forty years ago today, the first video game on a television set was played by these two men. Two years later, they would be recorded demonstrating their famous Ping-Pong game on the "brown box" console, which later became the basis of Atari's Pong.)


Nesse mesmo ano, em julho, a "Integrated Electronics Corporation" ou Intel Corporation, foi fundada por Gordon Moore, Andy Grove e Robert Noyce. Na época, contava com uma equipe de 12 cientistas, trabalhando em um prédio alugado em Mountain View, na Califórnia, EUA.



1969 - Foi implementado o Telnet, "Protocolo de Terminal Virtual", para estabelecer a conexão entre computadores. Por meio dessa conexão remota, podia-se executar programas e comandos em outro computador, como se o teclado de uma máquina estivesse ligado diretamente à outra. E praticamente passou a não importar se esse outro computador estivesse na sala ao lado, na mesma cidade, ou a milhares de quilômetros de distância. Se o outro computador estivesse muito distante, a única diferença notada era que a resposta poderia ser um pouco mais lenta.

Nessa época não havia necessidade de preocupação com segurança pois não havia uso comercial da rede.

A maioria dos usuários de computadores trabalhavam em redes nos departamentos de informática de instituições acadêmicas, grandes grupos privados ou instalações de pesquisa do governo. Entretanto, após a explosão da rede mundial de computadores, o aumento do número das pessoas com acesso a Internet fez com que os servidores tentassem procurar cada vez mais acessos ao grande número de solicitações, evidenciando cada vez mais falhas de acesso.

A Internet Pública, rapidamente adotou o protocolo SSH, que teve sua primeira liberação em 1995. Esse protocolo viabilizou muitas das funcionalidades do Telnet, com adição de criptografia, para previnir o ataque e roubo de dados particulares. Também garante que computador emissor está enviando dados somente para o computador receptor.

O exército americano interligou as máquinas da ARPAnet. O Departamento de Defesa dos E.U.A. contratou uma equipe de pesquisadores nas áreas de negócios, acadêmica e do governo para colaborar com a ARPAnet. O objetivo era interligar pontos estratégicos a uma rede descentralizada, que não pudesse ser destruída por bombardeios.

Assim, a ARPAnet, conforme os modelos de Baran, seria descentralizada, ou seja, não possuiria um computador central: cada ponto de conexão ( chamado de ) estaria ligado a vários outros, entrelaçando-se. Portanto, cada nó teria vários caminhos para enviar os dados e, se um caminho fosse destruído, outro poderia ser utilizado.

O Centro de Mensuração de Rede da UCLA (Universidade da Califórnia), em Los Angeles, onde estava Leonard Kleinrock, foi escolhido para ser o primeiro nó da ARPAnet. Em 1° de maio de 1969, a BBN enviou o primeiro equipamento da rede para a UCLA.

No dia 2 de setembro de 1969, os cientistas da UCLA, chefiados por Kleinrock, utilizando um cabo de cinco metros, instalaram o primeiro IMP, "Interphase Message Processor", ligando o primeiro servidor, um SDS SIGMA 7, sob o sistema operacional "SEX", conseguindo trocar informações entre dois computadores que estavam na mesma sala.

O segundo só foi instalado em 29 de outubro no "Stanford Research Institute", SRI, onde estava Douglas Engelbart, o inventor do mouse. Lá havia um servidor, um SDS940, que tinha como função suportar o centro de informação da rede ("Network Information Center), que guardaria o mapa da correspondência dos nomes dos "hosts" com o seu endereço físico, assim como uma cópia dos RFCs. A primeira mensagem entre servidores foi enviada do laboratório de rock da UCLA para o SRI. Era simples e só dizia "Olhai".

Foi o primeiro e-mail, enviado de uma forma bastante diferente da que utilizamos hoje.

Na equipe que a ajudou a montar o equipamento estava o então estudante de pós-graduação Vinton Gray Cerf que, mais tarde, se tornaria presidente da "Internet Society" e vice-presidente da "MCI".

Dois novos nós foram acrescentados, um na UCSB ("Universidade da Califórnia em Santa Bárbara"), com um IBM 360/75, sob o sistema operacional MVT e o quarto na Universidade de Utah, com um computador DEC PDP-10, sob o sistema operacional Tenex. Glen Culler e Burton Fried na UCSB pesquisavam métodos de uso de funções matemáticas para restaurar visualizações na rede e em Utah, Robert Taylor e Ivan Sutherland investigavam métodos de representação em terceira dimensão na rede.

Assim, no final de 1969, quatro servidores estavam ligados e formavam a ARPAnet inicial. A construção do que viria a ser a Internet tinha começado. 



Vídeo: UCLA's Leonard Kleinrock displays Internet's first router
http://www.youtube.com/watch?v=yU9oMOcRsuE (acessado novamente em 2/09:2009)
(Internet pioneer and UCLA computer science professor Leonard Kleinrock displays the Internet's first router, or "switch" -- known as an Interface Message Processor -- and describes the process of connecting it with UCLA's host computer, leading to the first-ever Internet message sent on October 29, 1969.)


Edson de Castro deixou a DEC e fundou a "Data General Corporation" lançando o Nova, um minicomputador de 16-bits, que já tinha 32 KB de memória e que foi vendido por US$ 8 mil. A arquitetura simples do seu conjunto de instruções inspirou o Apple I, de Steve Wozniak, oito anos depois.

Desde 1965 um grupo de programadores, Ken Thompson, Dennis Ritchie, Douglas McIlroy e Peter Weiner, pertencentes à "American Telephone & Telegraph", (AT&T), da "General Electric", (GE) e do "Massachusets Institute of Technology" (MIT), em um esforço dos "Bell Labs", tinham se reunido para o desenvolvimento de um sistema operacional que fosse

pequeno e simples, que pudesse ser programado facilmente,

multitarefa, executando dezenas de processos simultânea e sequencialmente e tão rápido que dão a impressão que ocorrem ao mesmo tempo, o que o fazia parecer ser multitarefa.

multi usuário, permitindo compartilhamento, ou seja, possibilitando que várias aplicações sejam executadas de modo independente e concorrente por diferentes usuários. Assim, eles podem compartilhar não apenas o equipamento, mas também programas e perifériccos como impressoras.

multiplataforma, e que poderia ser instalado em qualquer computador, qualquer que fosse a sua marca ou modelo, ou seja, deveria suportar diferentes arquiteturas de hardware.

Mas os recursos computacionais existentes ainda não eram suficientes para executar o projeto, chamado de MULTICS, (Multiplexed Information and Computing Service). Entretanto, em 1969 a empresa Bell Labs abandonou o projeto e, depois, em 1970, a Honeywell comprou a divisão computacional da General Eletric. Como o MULTICS funcionava nos mainframes GE-645, com a compra, a série 600 dos mainframes GE foi atualizada e renomeada para Honeywell 6180 Series.

O MULTICS era um sistema que se destinava a servir centenas de terminais burros simultaneamente. Portanto, as pessoas comprariam esses terminais para suas residências, e o uso seria tarifado, por meio de uma conta mensal, como as de água ou luz.

Mas, isso não deu certo e o MULTICS passou a ser usado para fins educacionais e processamento de informações. Seus recursos foram reutilizados em vários outros sistemas, até no System/360, da IBM. 

É preciso lembrar que nos anos 40 e 50 era necessário que o usuário enviasse ao centro de processamento de dados um "job" em cartões perfurados, para que estes fossem processados. Depois de uma série de correções e submissões, o usuário podia buscar a listagem que continha os resultados do seu programa. Só em agosto de 1969, Ken ThompsonDennis Ritchie, que estavam fora do projeto com a saída da Bell Labs, mas tinham continuado a estudar o MULTICS, tentavam criar um sistema que funcionasse em um computador menor e que pudesse rodar programas, dispensando todo esse trabalho.

Assim, criaram um sistema operacional para um computador DEC PDP-7, que estava parado. O sistema era baseado no MULTICS, mas de porte bem menor e utilizava a linguagem de montagem Assembly e foi denominado UNICS - Uniplexed Information and Computing Services.

( Mais detalhes sobre as contribuições de Thompson e Ritchie: aqui, aqui aqui. aqui e sobre o UNIX aqui. )


Foi fundada a "Advanced Micro Devices Incorporated" (AMD).

A "Intel" criou o chip de memória 1103, o primeiro LSI ("Large-scale integration") de memória DRAM comercializado.

Niklaus Wirth criou o compilador PASCAL e o instalou em um CDC 6400.

No final dos anos 60 várias empresas passaram a produzir minicomputadores: "Data General", "Prime Computer", "Hewlett Packard" e outras. Eles já eram muito menores e geralmente usavam o console de máquina de escrever, e foram se tornando mais populares durante os anos 70, e passaram a usar tecnologia VDT.


Vídeo: Hewlett-Packard 2114B Computer
http://www.youtube.com/watch?v=QzC7003SZKU (acessado novamente em 23/03/2010)
(This is a short video of our engineer powering up and fondling my Hewlett-Packard 2114B minicomputer.
Built in 1969, the 2114B uses a 16-bit derivative PDP-8 architecture, as do all of HP's earliest systems...) 


Brasil: 1960 a 1969


No Brasil, o trabalho de fim de curso de graduação em engenharia eletrônica, no Instituto Tecnológico de Aeronáutica ( ITA ) de quatro alunos, José Ellis Ripper, Fernando Vieira de Souza, Alfred Wolkmer e Andras Vásárhelyi, auxiliados pelo professor Richard Wallauschek construíram o computador "Zezinho", o primeiro computador não-comercial transistorizado totalmente nacional projetado e construído no Brasil.

Com um auxílio financeiro do CNPq de apenas 350 dólares, não tinha grande capacidade de memória, Foram utilizados cerca de 1500 transistores e diodos de fabricação nacional, produzidos pela Ibrape, uma subsidiária da Philips. Seu  painel tinha 2 metros de largura por 1,5 metro de altura,

Zezinho podia realizar 20 operações, sendo um computador didático, para uso em laboratório. E foi desmontado pelos alunos das turmas seguintes, que utilizaram seus circuitos para novas experiências.



Onde encontrar mais informação

Referências Bibliográficas - Vídeos - Imagens

Primeiros jogos digitais - Unix, Software Livre, Linux 



| Início | 1500-1799 | 1800-1899 | 1900-1939 | 1940-1949 | 1950-1959 |

| 1960-1969 | 1970-1979 | 1980-1989 | 1990-1999 | 2000-2009 | 2010-... | Gerações |




Este "site", destinado prioritariamente aos alunos de Fátima Conti,
segue as regras da FDL (Free Documentation Licence),
pretende auxiliar quem esteja começando a se interessar por internet,
computadores e programas, estando em permanente construção.
Sugestões e comentários são bem vindos.
Se desejar colaborar, clique aqui. Agradeço antecipadamente.

Deseja enviar essa página?

Se você usa um programa de correio eletrônico devidamente configurado e tem
um e-mail pop3, clique em "Enviar página" (abaixo) para abrir o programa.
Preencha o endereço do destinatário da mensagem.
E pode acrescentar o que quiser.
(Se não der certo, clique aqui para saber mais).

Enviar página

Se você usa webmail copie o endereço abaixo

http://www.ufpa.br/dicas/net1/int-h196.htm

Acesse a página do seu provedor. Abra uma nova mensagem.
Cole o endereço no campo de texto.
Preencha o endereço do destinatário.
E também pode acrescentar o que quiser.

Última alteração: 10 nov 2014